Início Carros Ford Galaxie NITRO!

Ford Galaxie NITRO!

140
Compartilhar

Há 25 anos!

Em 1992, Andrey Jasper, proprietário da Jasper Motor Garage, começava a traçar um caminho sem volta, onde a paixão herdada do pai ultrapassaria o estilo de vida e o que antes era apenas diversão se tornou profissão, com destaque em todo o cenário nacional.

Desde adolescente, Jasper dividia os finais de semana e as ferramentas na garagem de casa com Seu Francisco Stein, seu pai, que tinha como hobby realizar reparos e alterações mecânicas em seus carros. Esse vínculo foi criando em Andrey a paixão por carros, atenção aos detalhes e principalmente o dom em projetar e desenvolver motores mais fortes, mantendo dirigibilidade, atendendo a cada tipo de necessidade, em especial os V8.

Quem acompanha a RACEMASTER, sabe que ao longo das nossas edições já publicamos dezenas de carros montados pela Jasper Motor Garage. Nenhum destes anteriores é tão especial como este Galaxie LTD 1978 desta matéria. O carro foi presente do Sr. Francisco para Andrey, quando o mesmo ainda tinha 16 anos, o Galaxie tomaria as rédeas da vida de Jasper além de sintonizar pai e filho, atravessando as dimensões da vida, mantendo juntos pai e filho em saudosas lembranças, cada vez mais fortes desde a partida do Seu Stein em 2010.

Além do valor sentimental, o carro também serviu de escola e laboratório para o surgimento da oficina. O desenvolvimento do Galaxie passou por três configurações mecânicas, até chegar às 393” atuais. No início eram evoluções do próprio motor 302, com mais taxa, nova carburação, testes de uma infinidade de comandos, até chegar ao atual 393”.

Para alcançar esta cilindrada, o bloco original do V8 302, foi substituído por um 351, que saiu em alguns modelos de Mustang e Mercury nos Estados Unidos até meados da década de 90. Visualmente os dois blocos são bem semelhantes, porém o do 351 permite usar um virabrequim com um curso maior, alcançando a cilindrada de 6.5L.

Os pistões são TRW com 4,030” de diâmetro, as bielas são Scat com 6,2” de comprimento, o virabrequim possui 3,850” de curso. Uma bomba de óleo Meeling High Volume, mantém volume e pressão de óleo para o V8 girar 7600 RPM. Os cabeçotes são em alumínio da Edelbrock, com válvulas em inox 2,02” na admissão e 1,60” no escape. A nova configuração trabalha com 11,4:1 de taxa de compressão, queimando gasolina Podium.

Para usar gasolina comum a taxa fica alta demais, e perde-se muito em desempenho, e para o uso do etanol, acarretaria outras complicações como o aumento de manutenção e limpeza do sistema de alimentação e aquecimento da admissão e outros cuidados que o uso do etanol exige. Ainda mais sendo um motor sobrealimentado com sistema de óxido nitroso.

O comando, as molas e os tuchos são Iskenderian, balanceiro roletado Crane Cams e vareta Comp Cams. O coletor de admissão, acompanha o cabeçote de alumínio e é um Edelbrock Victor Junior. O carburador é uma Quadrijet Pro Form Race Series de 750CFM, abaixo dela o plate do kit nitro NOS de dois estágios, com 75cv cada.

“De pneus radiais, em uso urbano, uso apenas um estágio de 75cv, usar os dois o carro por ser muito pesado acaba perdendo muita tração e patina demais. O motor já tem uma potência boa só aspirado, alcançamos 408cv. Usei algumas vezes na pista e de pneu slick, arrancando já com os dois estágios de nitro acionados, o melhor tempo foi de 7s7 em 201m, acredito que seja um bom tempo para um carro deste tamanho”, comenta Andrey Jasper.

A transmissão original, recebeu kit performance TCI e um novo conversor de torque com Stall de 3000RPM também da TCI, o Flex Plate, que seria um volante do motor nos casos de carros mecânicos, é da marca Scat. O diferencial Dana 44, trabalha com blocante Spicer, com pontas de eixo originais.

Este carro trouxe resultados surpreendentes! Bastante torque para empurrar a gigante bigorna de 1840kg. Foram anos de dedicação e experiência que resultaram em uma extensa bagagem que se aplica nos carros montados pela oficina. “Embora tenha todo o embaraço burocrático e a instabilidade do nosso câmbio, não é impossível montar motores equilibrados, fortes e resistentes, ainda mais se tratando de V8, que tudo tem pronto lá fora. O grande cuidado está em projetar e interpretar o que cada componente pode influenciar na sua receita, isso é 80% para se obter sucesso na montagem do projeto.” Finaliza Jasper.

Além do grande incentivo do pai, algumas pessoas também se fizeram muito importantes na história iniciada através deste Ford, Sebastião Geronasso, in memorian, que juntamente com Zizo, outra lenda do antigomobilismo de Curitiba/PR, iniciaram o movimento de Hot Rods na capital paranaense e também Gerson Tigela da Reticenter e Helder Gandolfo, que além da amizade, divide experiências na montagem e acerto nos motores grandes. Mantendo viva a cultura V8 no Brasil.

Quer ver o carro em ação, acesse www.youtube.com/revistaracemaster e você encontrará maiores informações e ver este Galaxie 78 acelerando de verdade.

Compartilhar
AnteriorO poderoso Chevette Turbo

Deixar resposta